Anatomia

Anatomia

As orquídeas podem ser classificadas como Simpodial e Monopodial. Esta característica determina o sentido no qual acontece o desenvolvimento da planta.

Orquídea Simpodial
São plantas que apresentam crescimento limitado, ou seja, após o término  do crescimento de um caule ou pseudobulbo, o novo broto desenvolve-se formando o rizoma e um novo pseudobulbo, num crescimento contínuo. Ou seja, cresce em duas direções: Horizontal e vertical.
Orquídea Monopodial
São plantas com crescimento ilimitado, ou seja, com crescimento contínuo. Suas folhas são lineares, rígidas e carnosas, muitas vezes sulcadas ou semicilíndricas e dispostas simetricamente no caule da planta.
O órgão reprodutor de uma orquídea é constituído de quatro partes: COLUNA, ANTERA, ESTIGMA e OVÁRIO.
COLUNA ou GINOSTÊMIO Órgão carnudo e claviforme que se projeta do centro da flor, resultado da fusão dos órgãos masculino (ESTAME) e feminino (CARPELO).
ANTERA Contem grãos de pólen agrupados em 2 a 8 massas chamadas POLÍNIAS.
ESTIGMA Depressão de superfície viscosa, órgão receptivo feminino onde são depositadas as polínias durante a polinização.
OVÁRIO Local onde se desenvolve a cápsula das sementes após a fecundação.
Estrutura orquídea
As outras partes que compõem a estrutura anatômica das orquídeas são:
SÉPALA DORSAL é a pétala que se localiza acima da flor da orquídea.
PÉTALA como o próprio nome diz, são as pétalas superiores da flor. Existe uma de cada lado.
SÉPALA LATERAL são pétalas que se localizam abaixo das pétalas, uma de cada lado, separadas pelo labelo.
LABELO é a pétala com formato diferenciado e que se localiza do centro para baixo. Possui, em geral, formato de cone ou canudo. Dentro dele está o órgão reprodutor da orquídea, com a antera, os estigma e a coluna.
PSEUDOBULBOS só está presente em orquídeas de crescimento simpodial, ou seja, que se desenvolve na horizontal.
RIZOMA é o eixo de crescimento da orquídea e uma das estruturas mais importantes.
RAÍZES absorventes e aderentes, são responsáveis pela alimentação da planta e por sua fixação.
GEMA são estruturas de crescimento, podem estar ativas ou inativas.
MERISTEMA tecido, cujas células estão em constante processo de divisão celular, é uma gema ativa de crescimento da planta. Nas variedades simpodiais é quem norteia a direção do desenvolvimento.
FOLHAS responsáveis pela respiração e alimentação da planta.
ESPATA o cabo da flor nasce de uma espécie de folha dupla, que possui formato de faca, esta formação é que recebe o nome de espata.
PEDICELO é a haste floral.
BAINHA membrana paleácea que protege a parte externa e inferior dos pseudobulbos. Ela tem a função de preservar as gemas e as partes novas da planta contra os raios solares mais fortes e insetos daninhos.
CÁPSULA quando ocorre a polinização, o estigma se fecha, a flor começa a secar e o ovário inicia a formação da cápsula, que contem as sementes, até 500 mil ou mais. Leva de 6 meses a 1 ano até o amadurecimento.